Resenha: A Espiã


A Espiã
Autor: Paulo Coelho
Editora: Paralela
183 páginas

A Espiã retrata a história de Mata Hari, uma famosa dançarina que seduzia plateias com suas danças exóticas e ao mesmo tempo as chocava ao se despir em público em suas apresentações. Uma mulher forte, ambiciosa e obstinada, que preferia ser livre a seguir as regras e costumes de sua época. Ela foi uma figura à frente do seu tempo e ao longo dos anos se transformou em uma espécie de símbolo de ousadia feminina. Mata Hari era desejada, admirada e muito invejada. Mas sua vida não se limitou a dança, ela também era uma cortesã, sendo amante de diversos militares e políticos que em troca de sexo a mimavam com dinheiro, jóias e outros bens.



“[...]a memória é um rio que corre sempre para trás.”- pg. 27

O romance é narrado em primeira pessoa em forma de uma carta/diário que Mata Hari escreve ao seu advogado, nas vésperas de sua execução na França, por ser acusada de espionagem durante a Primeira Guerra Mundial. Na carta, a dançarina relembra sua vida, suas escolhas e decisões, e relata toda sua trajetória desde alguns acontecimentos de sua infância, dificuldades e traumas que sofreu na vida adulta como também suas experiências como a famosa e exótica bailarina e cortesã de Paris.

“[...] quando o passado traz uma memória capaz de abrir um ferimento, todas as outras chagas aparecem repentinamente, fazendo com que a alma sangre mais profundamente, até que você se ajoelhe e chore.”- pg. 39

A trama se desenvolve entre o final do século XIX e primeiras décadas do século XX, e retrata alguns marcos importantes como avanços tecnológicos, inauguração da Torre Eiffel e a importância da moda em Paris. Há também algumas figuras históricas presentes na trama, que ao longo dos anos se tornaram muito importantes, como Pablo Picasso, Modigliani e Oscar Wilde.


Achei o livro encantador! O romance te prende do início ao fim, principalmente porque a trama se inicia no fim, e eu adoro essas estratégias porque me desperta mais curiosidade a respeito da personagem, como por exemplo: Como ela chegou até lá? Por que ela escolheu esse caminho? Outro ponto que adorei foi a narração em primeira pessoa, pois isso permite um contato mais íntimo com a protagonista e sua história, e assim o leitor compartilha todos os sentimentos vividos pela personagem. É uma leitura agradável, fluida e repleta de reflexões.

“Sou uma mulher que nasceu na época errada e nada poderá corrigir isso. Não sei se o futuro se lembrará de mim, mas, caso isso ocorra, que jamais me vejam como uma vítima, mas sim como alguém que deu passos corajosos e pagou sem medo o preço que precisava pagar.”- pg.28

A diagramação e edição do livro ficaram ótimas, adorei o papel e o design da capa, e também não encontrei nenhum erro de português. Achei interessante que foi estabelecido um padrão da capa para as edições do mundo inteiro, mudando apenas alguns aspectos como a cor, por exemplo. Inclusive a imagem da capa é uma foto da própria Mata Hari que foi colorida digitalmente. Apesar de ser um romance baseado em fatos reais, é importante pontuar que é uma ficção e alguns diálogos da história foram criados pelo autor. Na Nota do Autor isso fica bem esclarecido e ele indica, inclusive, alguns livros pra quem tiver interesse em conhecer mais sobre essa misteriosa e exótica dançarina.

Fonte: Wikipedia

Eu, particularmente, não conhecia a história de Mata Hari e diante do que li e pesquisei após a leitura posso afirmar que ela foi realmente uma mulher extraordinária, todavia, em diversos momentos me incomodei com suas atitudes e escolhas. A protagonista passa por diversas dificuldades, entretanto, sempre que conquista algo acaba achando que é pouco, pois sempre busca e anseia por mais. Ela aprecia o luxo e a riqueza que ganha de seus amantes e vive uma vida cercada de luxúria, ganância e consequentemente de infelicidade, pois mesmo tendo tudo que almeja, nunca está satisfeita consigo mesma.

“Quando não sabemos aonde a vida está nos levando, nunca estamos perdidos.”-pg. 70


Entretanto, admirei a sua força e determinação, pois ela passou por muitas situações desagradáveis, tentou viver uma vida justa e feliz, porém a vida não foi nada fácil com ela. Como consequência, ela viveu uma vida sem se prender a nada nem a ninguém, sabia manipular e seduzir, conquistava o que queria e seguia seu rumo aonde melhor lhe beneficiava, todavia esse acaba sendo seu maior erro e ao se envolver com homens poderosos acaba caindo numa grande armadilha. 

“O pecado não foi criado por Deus, foi criado por nós quando tentamos transformar o que era absoluto em algo relativo. Deixamos de ver o todo e passamos a ver apenas uma parte; e essa parte vem carregada de culpa, regras, bons lutando contra os maus e cada lado achando que está certo.”- pg. 106

O livro aborda não apenas a história de Mata Hari, mas também levanta questões como as consequências que uma mulher pode sofrer por querer viver em liberdade. Ela foi admirada e insultada, foi exaltada e julgada, tinha diversos admiradores e amigos, entretanto quando mais precisou lhe viraram as costas. A história nos mostra como as pessoas julgam e usam outros indivíduos, muitas vezes inocentes, como bode expiatórios para pagar crimes, que muitas vezes nem cometeram. Afinal ela era uma mulher, livre, bajulada, invejada, dançarina, prostituta, por que não poderia ser uma espiã? É assim que muitas pessoas pensam (e isso acontece até hoje). Mesmo sem ter uma prova concreta, ela estava no lugar errado e lidou com as pessoas erradas.


Acredito que o único momento que Mata Hari encontrava realmente algum tipo de  felicidade era em suas danças. Ao meu ver ela foi uma mulher guerreira e muito inteligente, sabia usar o que tinha de melhor que era sua sensualidade para conseguir o que quer, todavia foi também uma pessoa muito infeliz, ela sabia o que queria, mas não sabia quem realmente era. Se você gosta de um bom romance baseado em fatos reais essa é uma ótima escolha, super recomendo!


Eloise G.F

5 comentários

  1. Eu adorei a história dessa mulher,o pouco que li já me apaixonei e tenho interesse em ler,confesso que não conhecia Mata Hari , impressionante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não a conhecia conceirocha, adorei o livro e recomendo!Uma leitura muito agradável! Li em um dia (risos) Vale a pena! <3

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Muito realista, sem dúvida a estória de muita gente, difícil alguém ñ se indentificar com essa heroína, principalmente as mulheres, "saber o que quer sem saber quem se é " eis um drama universal sem exceção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Denis, quando a história é real é ainda mais interessante. Obrigada pelo comentário! <3

      Excluir

Topo