Resenha: A Odisseia de Homero


A Odisseia de Homero
Autora: Gwen Cooper
Editora Sextante
281 páginas

Eu ganhei este livro de uma pessoa muito querida e acredito que essa pessoa me deu este presente porque:  1) eu sou apaixonada por gatos, 2) eu já tive um gato cego (caolho) que não viveu tanto quanto Homero – infelizmente-, e 3) porque eu amo ler. ♥ E posso afirmar que acertou em cheio em todos os motivos (risos).



A Odisseia de Homero retrata a história de um gatinho que foi encontrado na rua por um casal e levado a uma veterinária, pois ele estava com os olhinhos infeccionados. Ao diagnosticar a infecção, que estava em um grau bem avançado, a veterinária conclui que a única forma de salvá-lo é fazer uma cirurgia para retirar seus olhinhos. E assim foi feito, o gato foi salvo, porém ficou cego para sempre, afinal como era muito pequeno, não teve nem sequer o privilégio da visão  e  jamais lembraria como era enxergar. Infelizmente, o casal não quis ficar com o gatinho e assim iniciou-se a procura para sua adoção, pois nem a veterinária poderia ficar com ele.
A veterinária contacta Gwen Cooper que possuía dois gatos que eram pacientes da clínica como uma das opções de adotar o gato. Mas Gwen, apesar de amar gatos, achava que três seria demais e se encontrava numa posição difícil, pois estava morando de favor na casa de uma amiga e tinha acabado de terminar um namoro que poderia se tornar um casamento. Entretanto, Gwen decide ir ver o gato sem compromisso,- afinal que mal faria?- ela sabia que não poderia adotá-lo. Mas, quando ela finalmente fica de frente com aquela bolinha de pelo preta, tudo muda e ela o adota.

A história é contada em primeira pessoa pela própria autora e retrata as experiências de vida dela com Homero e seus dois outros gatos, Scarlett e Vashti. É um livro fascinante que te faz sorrir, refletir e se emocionar. Homero é um gato como outro qualquer, come, faz suas necessidades nos lugares certos, brinca – até demais –porém ele é cego, e isso faz com que Gwen fique bem próxima dele, se  tornando os olhos dele. Ela aprende muito com Homero e se torna uma pessoa mais responsável, segura e madura, afinal durante toda a história mostra seu progresso e suas derrotas em busca de uma vida estável, de um bom relacionamento, de uma vida independente.

Homero é um gato extremamente corajoso e destemido, e isso faz com que Gwen se preocupe o triplo, pois ele não sabe o limite de certas coisas, mas ela sempre está lá dando apoio e se surpreendendo com ele também. É um gato muito amoroso, carinhoso, fiel e protege sua dona,- e esse foi o ponto que mais amei e me emocionei. O amor entre os dois é sublime. Não tem como ler o livro e não se apaixonar por Homero e refletir sobre sua história.
"-Eres mucho gato, Homero -sussurrei.- Tu és mais que um gato."-pg.142

Um ponto que achei interessante foi que todas as pessoas que se deparavam com o gato, se interessavam por ele, a princípio por sua deficiência, mas logo em seguida elas ficavam impressionadas e encantadas por sua personalidade e autoconfiança.

Apesar do centro da história ser Homero, o livro retrata a vida da própria autora, e também dos outros dois gatos, cujas personalidades são bem interessantes e gera situações engraçadas- principalmente quando Homero está envolvido. Os quatro juntos formam uma linda família. Você se envolve com a história da Gwen e aprende muito com esse gato destemido.

Em diversas situações me identifiquei com a Gwen, é realmente uma história de superação, amor, crescimento e autoconhecimento. Homero é um gato forte, carinhoso, feliz, aventureiro e muito corajoso. E foi interessante ver como isso atingia a Gwen e a influenciava a ser forte, seguir em frente e não desistir.

O meu gato, no caso, ficou caolho por uma maldade de algum infeliz por aí, mas apesar de ter vivido pouco ele recebeu muito amor e carinho, e eu nunca consegui deixar de amá-lo. Foi um dos melhores gatos que tive, e na verdade o mais carinhoso e amoroso, eu não o amava por pena, amava-o por ser ele mesmo, gostaria muito que ele tivesse vivido mais. Em vários momentos me lembrei dele nessa leitura e também acabei conseguindo compreender melhor minha gata atual, que era tão arisca e começou ficar mais doce ultimamente (risos).

No fim você se sente muito próximo de Homero. O livro tem várias fotos dele e dos outros gatos, é uma leitura agradável e gostei da forma que a Gwen escreve e narra os fatos. A vontade que eu tive é de pegar um avião e ir conhecer o bichano (risos). Eu realmente não esperava tudo isso deste livro, me surpreendi e valeu muito a pena a leitura. Amei a capa e a diagramação do livro, a Editora Sextante fez um excelente trabalho. Super recomendo!




G.F



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo