Resenha: O Visconde Que Me Amava


O Visconde Que Me Amava - série Os Bridgertons - Vol 2
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
288 páginas

Assim que terminei de ler O Duque e Eu, fui logo começar a leitura do segundo livro da série os Bridgertons – sim é uma série que retrata em cada livro a história dos irmãos/irmãs Bridgertons, que no total são oito-. Depois de me deliciar com a leitura do livro um, fiquei preocupada se o próximo seria tão bom, e posso garantir que essa história  superou minhas expectativas e acabou se tornando um dos meus romances favoritos.
 

O segundo volume, assim como primeiro, retrata as temporadas de bailes londrinos, onde jovens solteiras estão em busca de um marido para começar uma família.
  Desta vez a história gira em torno de Anthony Bridgerton, que também teve muitas aparições no livro "O Duque e Eu", e que segundo Lady Whistledown,- minha colunista de fofocas favorita- é um libertino com L maiúsculo, -o que é verdade-. Porém, ele decide enfim ir em busca de uma mulher ideal para compor uma família e deixar pra trás sua vida de libertinagem, afinal ele é o herdeiro da família e também um Visconde.

"É claro que a questão dos libertinos já foi assunto discutido antes nesta coluna, e a autora chegou à conclusão de que há libertinos e Libertinos. Anthony Bridgerton é um Libertino. [...] CRÔNICAS DA SOCIEDADE DE LADY WHISTLEDOWN, 20 DE ABRIL DE 1814.", pg12

Portanto,  Anthony decide que está na hora de se casar, mas possui algumas exigências para escolha de sua futura esposa. Ela deveria ser atraente e inteligente,  alguém que ele suportaria passar a vida junto e ter filhos, sem o compromisso de amar. O amor era algo complicado, e ele tem muitos motivos na história para não querer vivenciar e compartilhar esse sentimento com alguém. Sendo assim, ele vai atrás da pretendente ideal, o diamante da temporada, Edwina Sheffield. Mas nada é fácil nessa vida, e para conquistá-la ele tem que ser aprovado pela sua irmã mais velha, Kate- e é aí que a história começa ficar muito divertida.


Kate Sheffield vive junto com sua irmã mais nova Edwina e sua madrasta Mary, que sempre cuidou de Kate como uma mãe de verdade. Após a morte de seu pai, a família vem passando por momentos difíceis. Ela possui uma língua muito afiada, chega a ser maldosa em certos comentários, mas ela é muito divertida. Enquanto sua irmã é uma jovem linda e delicada, adorada e venerada por diversos pretendentes, Kate é uma jovem comum, que não possui uma beleza incomparável como da Edwina. O que eu achei admirável em Kate foi sua personalidade e o grande amor que ela possui pela irmã. Jamais sente inveja, pelo contrário, ela acredita que sua irmã será a primeira a se casar e se esforça muito para ajudá-la encontrar alguém, vamos dizer assim, que preste (risos).

Porém, a vida de Kate vira um pesadelo quando Anthony aparece querendo cortejar sua irmã. Sua reputação é péssima, e ela o odeia desde a primeira vez que o viu. É óbvio que esse sentimento é reciproco da parte dele. Eles definitivamente não se bicam. O problema é que ele tem que mostrar o quanto ele é um bom partido para Edwina, mas sempre que está com Kate o que sai são farpas- na verdade nem sempre (risos)-. São dois personagens que demoram a entender o que se passa entre eles, e sinceramente de todos os romances da série, esse foi o que eu achei mais divertido, engraçado e um dos mais sedutores.



Acho interessante que o mocinho da história tenha seus defeitos, sendo até bruto ou rude às vezes (risos), afinal ninguém é perfeito. E a mocinha também apresenta uma personalidade marcante e está longe de ser uma dama convencional. Os dois fazem uma dupla e tanto. É uma história divertidíssima, uma leitura muito agradável e um romance de arrancar suspiros. Apesar do livro retratar sobre o romance, também aborda sobre devoção a família e sobre os conflitos emocionais e fantasmas do passado que os personagens enfrentam no seu dia a dia.


"Um homem charmoso é muito agradável e um homem de boa aparência é, sem dúvida, uma visão que vale a pena, mas um homem honrado, ah, querida leitora, é para ele que as jovens deveriam correr. CRÔNICAS DA SOCIEDADE DE LADY WHISTLEDOWN, 2 DE MAIO DE 1814." pg151

Eu realmente adoro as personagens femininas que Julia Quinn cria, elas são muito autênticas, desde as mais velhas como Lady Danbury ou Violet até as mais jovens como Daphne, são todas excepcionais e Kate definitivamente é uma das minhas favoritas da série- bom nem preciso falar dos personagens masculinos que são encantadores e o Anthony, bom, ele é meu favorito (risos). Além dos personagens principais é sempre agradável ler sobre algum membro da família Bridgerton, o amor entre eles é lindo e eles são muito unidos. Em cada livro você vai conhecendo um pouquinho mais sobre a família e desperta uma certa curiosidade a respeito dos próximos volumes e da história de algum irmão ou irmã que ainda não foi contada. Quem mais me chamou atenção foi Colin Bridgerton e seu sorriso malicioso e arteiro, porém pra saber mais sobre ele tive que esperar até o quarto volume - e claro não tardarei em postar a resenha deste livro por aqui também. Ah claro, também adorei Newton, o cachorro da raça Corgi de Kate. Ele não aparece muito, mas o pouco que aparece já vale pela história toda (risos).

Uma das partes mais divertidas do livro é quando toda família joga o Pall Mall. É um jogo de gramado , jogado principalmente nos séculos XVI e XVII e precursor do croquete, que constitui em golpear bolas de madeiras ou plástico através de arcos encaixados no campo de jogo. Os Bridgertons são extremamentes competitivos, e é claro que dei umas boas gargalhadas nessa parte.


Imagem via Wikipedia

Apesar de não haver necessidade de uma leitura cronológica,- pois cada livro fala de uma nova história-, acho importante ler todos na ordem, pois tem certos pontos que se ligam. Outra questão são os  personagens que aparecem e  já tiveram suas histórias contadas em livros anteriores, daí pode haver um leve spoiler de acontecimentos. Portanto, eu aconselho ler os livros na ordem mesmo, até porque existe um mistério no livro, mesmo que ínfimo: Afinal quem é a Lady Whistledown? E como ela consegue tantas informações a respeito da sociedade londrina? Bom, posso dizer que comecei meu chute no livro dois e fiquei extremamente feliz quando soube que foi certeiro.

Os livros foram pulicados pela editora Arqueiro, as capas ficaram lindas, amei a diagramação e há um preview sobre o próximo livro da série no final de cada livro.

Mais uma vez Julia Quinn me surpreendeu. Super recomendo!

Caso tiver interesse de conhecer mais sobre a série Bridgertons leia também a resenha do volume 1: O Duque e Eu




G.F


2 comentários

  1. O que falar desse livro? O que falar da Kate e do Anthony? E o que falar de todo o enredo em si?
    Devo começar dizendo que mesmo que esse romance não seja meu favorito (já te contei que o meu preferido é do Colin :3), ler sua resenha trouxe mais claramente todos os acontecimentos que eu me acabei de rir e de torcer pela Kate, além de me irritar com o Anthony, que amava provocar Kate e seus nervos rs Creio que o romance entre os dois foi o que mais demorou, de fato, a ser declarado, já que desde o início eles não se gostavam e a provocação reinava. Kate é admirável, amo os foras que ela dá no Anthony e sua presença, sabe? O amor que ela sente pela irmã e pela madrasta me fez sorrir e lembrar das minhas irmãs, pois somos bem unidas também. O desejo dela querer que a irmã casasse por amor fez meu coração amolecer e torcer pelo "felizes para sempre" pra ela também. E Anthony? Se me irritei com as patadas dele? Se ri demais quando uma situação os força a você-sabe-o-que? A resposta é sim hahaha Anthony é um ótimo irmão (no livro da Eloise ele arrasou rs), mas o seu jeito rude às vezes também me magoou, assim como magoou Kate em algumas situações. Mas, como ele tem o poder da sedução, não tem como permanecer irritada com ele, principalmente quando seus medos vieram à tona e esse seu medo lembra-me muito de um antigo medo que minha mãe tinha, que passou pela mesma situação, só que no caso dela, fora um sonho que teve, sabe?
    Mas, o romance em si é bem puro e sedutor, além de que ele lutando para não amá-la foi bem divertido, porque toda vez eu ficava torcendo para ele gostar mesmo e enfim, se casarem, terem filhos e mais cachorros hahaha Esse casal é mesmo marcante.
    Bom, amei a resenha e a fotografia! Parabéns.
    E o cachorro de Kate é uma onda :P
    Blog Thoughts and Adventures

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando acabei de ler O Duque e Eu, eu jamais pensei que ia amar esse volume, porque o Anthony aparece na história do primeiro volume , daí me perguntei: mas será que vai ser legal um romance com ele? Tipo, o Simon tem aquele estilo que você se apaixona, mas o Anthony era aquele irmão protetor chatão hahaha. Só que eu amo, sou louca por romances em que o casal não se bica. E Julia Quinn conseguiu fazer isso de forma sublime. Como vc disse, eu ri, ri de dar gargalhadas, me irritei, fiquei triste pelos medos e receios dos dois, foi definitivamente um romance que mexeu mto com minhas emoções. A Kate é realmente cativante e a forma que ela demonstra o amor pela sua madrasta e sua irmã é muito linda mesmo. E o Anthony, bom, me apaixonei por ele, quanto mais ele negava o que sentia, mais eu o via babando por ela e aquilo me derretia hahahah Gosto muito do Colin tbm, ele e seus sorrisos e olhares misteriosos e travessos <3 Obrigada por ter gostado da resenha e da foto, fico mto feliz em saber disso <3

      Excluir

Topo