[Resenha] Tentação ao Pôr do Sol



Tentação ao Pôr do Sol – Os Hathaways – vol. III
Autora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
272 páginas

*Não há spoilers do livro anterior*resenha sem spoilers*

O terceiro volume da série aborda a história da comunicativa Poppy Hathaway, uma mocinha astuta, cujo principal hobby é conversar. Ela já está na sua terceira temporada e nada de arranjar um marido, mas não se enganem, Poppy é uma mulher bonita com uma personalidade doce e gentil. No entanto, a inteligência da jovem, seu amor por uma boa conversa e o fato de vir de uma família nada convencional acaba por afastar todos os pretendentes.

“– Isso – balbuciou ela baixinho – é o que acontece quando se faz parte da família Hathaway. Transtornos... animais selvagens... incêndios... maldições... escândalos...”




Como nos anos anteriores, os Hathaways se hospedam no hotel Rutledge, um lugar muito famoso e bem organizado, administrado por um homem misterioso que poucos conhecem.  As irmãs Hathaways imaginam que ele seja algum senhor de idade, até que Poppy, por acaso, o conhece e percebe que Harry Rutledge está longe de ser um bom velhinho.

“– O senhor não é como os outros gerentes – comentou ela.
 – E a senhorita não é como as outras jovens.”

“Poppy pigarreou para limpar a garganta e suspirou. – Desculpe-me. Eu falo demais. Não deveria... – Não – Harry a interrompeu, tomado por uma forte e desconhecida emoção, apavorado com o que sentia. – Eu poderia ouvir você falar o dia todo.” 

Harry é um homem sério, perfeccionista e extremamente manipulador. Confia em poucas pessoas, isso porque teve um passado muito difícil. Ele conseguiu subir na vida por conta própria e ter sucesso nos negócios. Desde então, Rutledge consegue obter tudo o que quer, bom, na verdade nem tudo, pois ele estava longe de conquistar Poppy Hathaway, afinal a mocinha estava apaixonada por outro homem. O romance entre o casal inicia de forma bem sensual e ao mesmo tempo turbulenta. Rutledge jamais seria o príncipe encantado de Poppy, ele está mais para o vilão da história...o tipo de vilão que todas sonhamos ter.(risos)

"Tentar entender Harry Rutledge era como decifrar o complexo mecanismo dos relógios que ele montava. Seus olhos podiam ver e examinar cada engrenagem e peça, mas isso não significava que você conseguiria compreender o que fazia o relógio funcionar. A impressão que tinha era de que Harry havia passado a vida lutando contra o mundo e tentando moldá-lo à sua vontade. E havia progredido muito nesse sentido. Mas estava claramente insatisfeito, não conseguia apreciar o que conquistara."

“– Contos de fadas são uma excelente leitura para entretenimento – opinou Harry. – Mas não são um manual de vida.”


“– No conto de fadas que mencionou ontem à noite, eu provavelmente seria o vilão. Mas é possível que o vilão a trate melhor do que o príncipe teria tratado.”

"Havia se apaixonado por um príncipe, mas acabara nos braços de um vilão. E seria tudo mais fácil se continuasse vendo a situação nesses termos simplistas. Porém seu príncipe não chegava nem perto de ser perfeito como parecia... e o vilão era um homem atencioso, de sentimentos intensos."

Confesso que me surpreendi muito com esse volume, em minha opinião, Poppy é menos retratada nos volumes anteriores, portanto a conheci realmente neste livro e não imaginava que me encantaria tanto pela sua personalidade, decisões e história. Me identifiquei muito com Poppy e me vi envolvida e emocionada pelo seu relacionamento com Harry.

“[...] conheço o remédio para coração partido. 
– Qual é? – perguntou Poppy com um suspiro trêmulo. 
– Tempo... oração... e, acima de tudo, uma família que a ama. Você sempre será amada, Poppy.”

“– Por que me tirou para dançar? Harry hesitou, como se estivesse dividido entre a necessidade de tato e a propensão à honestidade. Ele escolheu a honestidade. – Porque queria tê-la em meus braços.”

"–Às vezes, quando você está se esforçando para tirar o melhor de uma situação, acaba conseguindo muito mais do que esperava."

O mocinho, apesar de cometer muitos erros e ter uma personalidade difícil e fria, surpreende e amadurece ao longo da trama. Na verdade, essa história é repleta de surpresas e revelações. É uma leitura fluida que fala sobre amor, perdão e confiança.

“Faria qualquer coisa por ela, pensou, até mesmo desistir dos últimos resquícios de sua alma.” 

"–Recusou-se a me beijar por diamantes, mas me beija por chocolates? – provocou ele, com voz rouca. [...] – Vou encomendar entregas diárias, então."


"–Todo relógio tem uma. A roda gira para a frente e para trás sem parar. É isso que faz o barulho típico, o tique-taque, e o que move os ponteiros para marcar os minutos. Sem a roda, o relógio não funciona. Você é minha roda de equilíbrio, Poppy."

Eu me encantei pelos funcionários do hotel que são personagens leias, carismáticos, extremamente divertidos. Em certos momentos eles me lembraram os empregados da Fera, da animação A Bela e a Fera, que tentavam mostrar o lado bom do chefe para a mocinha. Me diverti horrores com todos eles.

"[...] ficava claro para ela que amor não tinha a ver com encontrar alguém perfeito para casar. Amor era enxergar a verdade da pessoa e aceitar todas as suas nuances, o bom e o ruim. Amar era uma habilidade. E Harry a tinha em abundância, mesmo que ainda não estivesse preparado para aceitar isso."


“– A princesa salva o vilão – sussurrou. 
– É uma bela variação da história.” 

Um ponto que sempre me fascina nos livros de Kleypas são os aspectos históricos que ela apresenta em suas tramas. O leitor acompanha o processo de mudança que acontece na sociedade da época, com o fortalecimento da classe industrial e crescimento de casamentos entre plebeus (que enriqueceram com o trabalho) e nobres (que começavam a empobrecer).

“Tudo em Londres girava em torno de aparências, fingimento... Seria assim tão imperdoável ser honesto sobre os próprios sentimentos?”


“–A temporada de eventos sociais em Londres é como um daqueles melodramas nos quais o casamento é sempre o final. E ninguém parece pensar no que acontece depois. Mas casamento não é o fim da história, é o começo. E ele exige o esforço dos dois parceiros para dar certo.” 

Antes de fechar gostaria de compartilhar com vocês uma curiosidade, resolvi procurar sobre uma coisa que me chamou atenção logo no início do livro. Harry constrói autômatos (objetos que funcionam sem a ajuda da eletricidade, mas sim através de uma série de mecanismos internos) e mostra um cavalo de corrida que ele mesmo construiu para Poppy. Daí trouxe essa imagem e vídeo abaixo para ilustrar, não sei como seria os da época, mas fiquei fascinada por esse.



Canal Jessica Timezone

Com uma narrativa primorosa e divertida, Kleypas nos apresenta um romance arrebatador com um desfecho impactante que faz o leitor correr direto para o próximo volume. Foi a primeira vez que vi um desfecho do tipo dentro desse gênero, pois mesmo havendo sequências os romances de época costumam fechar bem a história de um casal para começar o próximo, mas neste livro a autora fez um link muito forte e direto com o volume seguinte. Simplesmente adorei, está mais que recomendado!


Eloise G.F

*Com esta leitura respondi o item 3 do desafio #RomancedeÉpoca12meses, que consiste em ler um romance com mocinho plebeu.

6 comentários

  1. Oiii Eloise. Eu amei sua resenha. Se não estava convencida a ler essa série antes agora fiquei com vontade com toda certeza.
    Eu gosto de mais de quando os autores apresentam os aspectos da sociedade. Achei genial essa parte de colocar os autônomos porque dá um novo tchan (kkkkk) a trama.
    Eu já tinha visto alguns romances onde havia um plot pro livro seguinte, mas do jeito que você falou parece ter sido um daqueles.
    Amei sua resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Eloise, é tão bom quando os personagens amadurecem ao longo da trama né. Eu curto bastante livros que abordam amor, perdão e confiança e ainda por cima divertem. Sem falar nessa capa lindona né, bjocas.

    ResponderExcluir
  3. Ei! Tudo bem?

    A Lisa é maravilhosa, não é mesmo?! Adoro quando a gente consegue sentir o amor dos personagens, quando a gente se apega aos personagens secundários e se diverte na história. Não li essa série ainda, mas fiquei com muita vontade, principalmente por causa do Harry que parece ser crush haha Adorei sua resenha e o vídeo que você deixou no final, me lembrou muito um filme chamado "Uma Beleza Fantástica", é maravilhoso.

    Beijos!
    http://www.as365coresdouniverso.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Morro de amores nesses romances viu, a fórmula nunca falha comigo!
    E adorei a curiosidade das miniaturas automáticas!!!!!
    Preciso ler essa autora logo menina, fico só babando nas suas resenhas!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Eloise! Primeiro, eu preciso dizer que amo as suas fotos! Elas são muito fofinhas e remetem demais o espírito dos romances de época *-*
    Sobre o romance, fiquei com muita vontade de conhecer essa série, apesar de não sofrer de amores pela Lisa Kleypas. Estou quase finalizando as quatro estações do amor e ainda me falta empolgação para continuar as histórias dela. Por outro lado, achei muito interessante o fato da família da mocinha viver em um hotel, e também a autora se preocupar em apresentar os acontecimentos históricos da época. Dica anotada! Adorei a recomendação e a resenha.

    Beijos,
    http://abducaoliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oii, nossa que post lindo, amei demais as fotos parabéns. Fiquei muito curiosa para ler esse livro mas ele pértence a uma série e eu ja estou lendo algumas e isso complica kk mas vai pra minha listinha sim, o único que tenho da autora é o Segredos de Uma Noite de Verão (que por sinal só tenho ele e tenho que comprar os outros ainda kk). Gente, estou encantada com tudo nesse post e o que foi esse videio no final ... ? Que genialidade é essa ? haha incrível !!
    Beijos <3

    https://fuxicosliterario.wordpress.com/

    ResponderExcluir

Topo