Resenha: O Cão dos Baskerville


O Cão dos Baskerville
Autor: Arthur Conan Doyle
Editora: Zahar
264 páginas

Um dos casos mais assustadores e intrigantes do maior detetive do mundo. Uma verdadeira história de mistério, ambientada na Inglaterra, repleta de horror, suspense e muita ação. Sherlock Holmes e seu fiel amigo Dr. Watson se deparam com um caso um tanto incomum. Uma terrível maldição atormenta a família dos Baskerville. Diz a lenda que um terrível cão, uma criatura enorme e demoníaca, persegue a família há gerações. Tudo se iniciou com Hugo, um homem profano e ímpio, que foi morto pelo próprio cão do inferno nas redondezas da charneca (habitat caracterizado por vegetação xerófila). Diversas testemunhas juraram ter visto a fera que o perseguia. Desde então, ao longo dos anos, os membros da família Baskerville buscaram evitar de caminhar pela charneca durante a noite, para não ter o azar de encontrar com a maldita fera. Mesmo assim, muitos da família tiveram uma morte repentina, sangrenta e muito misteriosa.



Essa história é considerada por muitos apenas uma lenda da região de Dartmoore, no condado de  Devonshire, porém tudo muda quando, Sir Charles, atual herdeiro do Solar Baskerville morre inexplicavelmente próximo aos portões da charneca. Apesar de sua morte, segundo o inquérito, ter sido produzida por causas naturais, Dr. Mortimer, um amigo próximo e também médico de Sir Charles, percebe que há algo errado nessa história.
Seu amigo parecia ter visto, em suas últimas horas de vida, algo muito assustador, seu semblante estava demasiadamente distorcido. As pegadas deixadas por Charles se modificaram no caminho, e o pior , não muito longe de seu corpo, haviam pegadas de um enorme cão de caça. Em busca de respostas, dr. Mortimer resolve ir até Londres ao encontro do detetive Sherlock Holmes, relatar suas suspeitas e solicitar conselhos a respeito do novo herdeiro que estaria a caminho: Sir Henry Baskerville. Há algo muito estranho, talvez sobrenatural, e perigoso que atormenta essa família, e dr. Mortimer teme que o próximo herdeiro também encontre um destino funesto. Sendo um ser demoníaco em forma de cão ou de pessoa, há algo realmente muito peculiar e intrigante na morte de Sir Charles e nos arredores do Solar Baskerville.

“Até agora limitei minhas investigações a este mundo [...] De uma maneira modesta, combati o mal, mas enfrentar o próprio Pai do Mal seria, talvez, uma tarefa ambiciosa demais.”- pg. 39



Sherlock Holmes é considerado um marco do romance policial, -e não é a toa. Das primeiras às últimas páginas, o detetive apresenta um alto grau de inteligência e percepção. Com um jeito irônico e mordaz, ele analisa o caso minuciosamente, nenhum detalhe lhe escapa e tudo é relevante. A história é narrada sob o olhar do dr. Watson, e ele apresenta uma grande e importante participação na trama. O leitor fica imerso num suspense intrigante entre o sobrenatural e o real, inúmeros suspeitos, ameaças, perseguições e situações inesperadas que te deixam com o coração na mão. Como todo bom detetive, Sherlock Holmes não comunica os fatos que descobre ou seus planos a ninguém, até o momento de executá-los, de fato. Todavia, um dos pontos mais positivos das tramas de Holmes, é que o leitor consegue acompanhar o raciocínio do detetive, sem ter que esperar o desfecho, como acontece em outras histórias onde os enigmas são revelados de uma só vez. Cada revelação é surpreendente e mesmo que o leitor acerte quem seja o criminoso ou assassino, a história segue um rumo inusitado e imprevisível.

“O mundo está cheio de coisas óbvias que ninguém jamais observa.”- pg.44



O primeiro conto de Sherlock Holmes foi publicado em 1891. O Cão dos Baskerville é considerado o caso mais notável. Foi publicado em fascículos mensais entre agosto  de 1901 e abril de 1902 na Strand Magazine - periódico britânico que levou os casos e figuras de Sherlock Holmes ao conhecimento público. O romance foi baseado e também ambientado na peculiar região de Dartmoor, oeste da Inglaterra, onde é fonte de muitas lendas e pesadelos. A narrativa de Conan Doyle é sublime, com diálogos e descrições impecáveis. A editora Zahar fez um exímio trabalho com o design da capa e diagramação do livro. Essa edição traz o texto original publicado pela Strand Magazine, com lindas ilustrações de Sidney Paget, o primeiro e prolífico ilustrador dos contos de Sherlock Holmes. Sem dúvida, essa é uma excelente trama de romance policial e não é a toa que é considerada um dos casos mais importantes do detetive. Super recomendo!

“Como eles chamam este som? [...] Dizem que é o uivo do Cão dos Baskerville.”- pg. 149






Eloise G.F.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo